Blog Imunizadora Hoffmann

Novidades e conteúdo exclusivo sobre controle de pragas.

O calor está chegando e, como nós sabemos, é nessa época em que as ocorrências de dengue aumentam consideravelmente. Fique com a gente e descubra por que a polêmica sobre mosquitos volta com tanta força nessa época do ano e aprenda como se proteger da dengue durante o verão.

Casos de dengue

Segundo o boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul, o ano de 2020 – com 3.347 infectados até setembro – teve o maior índice de casos de dengue desde 2010 – que havia somado 3.542 casos -, sendo as mulheres e as pessoas de faixa etária entre 30 e 39 anos as mais atingidas.

A principal área afetada é a região noroeste do Estado, mas outros 388 municípios do Rio Grande do Sul também foram considerados infestados pelos mosquitos Aedes Aegypti que, além de transmitir o vírus da dengue, também transmitem zika e chikungunya.

No mês de outubro de 2020, a Hoffmann fez uma live com o Engenheiro Agrônomo Mario Inácio Giehl para conversar sobre as formas de manter a doença afastada de nós neste verão. Confira no vídeo abaixo.

O que atrai os Aedes Aegypti?

Primeiramente, precisamos desfazer o mito que diz que a dengue só aparece no verão. O mosquito transmissor do vírus, o Aedes Aegypti, é capaz de viver ao decorrer do ano inteiro, inclusive no inverno. O que acontece, de fato, é que a famosa temporada de chuvas de verão aumenta a proliferação dos mosquitos, que precisam de água para que seus ovos possam eclodir. É por isso que o período entre os meses de novembro e maio são os mais críticos.

Durante o verão, os ovos de Aedes Aegypti demoram, em média, 7 dias para eclodirem e, depois disso, os machos vivem em torno de 7 dias enquanto as fêmeas podem chegar a ter 45 dias de vida.

Mas não se engane! A desova não acontece apenas durante os períodos de chuva. Quando o tempo está árido, as fêmeas procuram por lugares que sejam propensos a acumular água e ali colocam seus ovos. Segundo o engenheiro agrônomo Mario Giehl, já houve casos em que ovos de Aedes Aegypti sobreviveram por meses até que, quando finalmente entraram em contato com a água da chuva, eclodiram. É por isso que, para maior prevenção, é importante ter cuidado durante todas as estações, e não apenas quando chega o verão.

Saiba mais: O que fazer para eliminar os mosquitos

Como identificar o mosquito da dengue?

Os Aedes Aegypti se destacam com pequenas listras brancas na cabeça, pernas e dorso. Além de serem menores do que os mosquitos comuns e medirem em torno de meio centímetro, são muito silenciosos e emitem um zumbido quase inaudível.

Diferentemente do que muitas pessoas pensam, o vírus da dengue não pode ser transmitido de pessoa para pessoa. A infecção só acontece quando um mosquito fêmea picar alguém infectado e, carregando o vírus, picar outra pessoa. Então fique atento! As fêmeas do Aedes Aegypti, transmissoras da dengue, têm hábitos diurnos e costumam picar principalmente ao amanhecer e ao fim da tarde.

Baixe nosso infográfico com informações sobre a doença, como se prevenir e identificar corretamente o mosquito transmissor. É só clicar no banner abaixo e seguir os passos para receber o material.

Infográfico grátis - Previna-se da Dengue

Fique atento à prevenção

Um outro mito que se espalhou por aí é o que diz que o mosquito da dengue só se manifesta em locais fechados. Mas a verdade é que, para evitar a infestação do vírus, é necessário evitar acúmulos de água em quaisquer superfícies, em locais abertos ou fechados. Como ainda não existe uma vacina 100% preventiva, é preciso fazer o máximo possível para manter os Aedes Aegypti distantes.

Pneus velhos, vasinhos de plantas, calhas de água, folhas secas nos telhados, lixo acumulado… Todos esses são exemplos de superfícies que podem, facilmente, acumular água da chuva e atrair a presença de fêmeas que estejam procurando um lugar para colocar seus ovos. Por isso, o ideal é que você esteja atento à manutenção da sua casa.

Saiba mais: Os mosquitos mais perigosos da natureza

Mas também é preciso olhar além. Se você identificou que próximo a você há terrenos abandonados que não recebem manutenção ou dedetização há meses, saiba que algumas providências para cuidar da sua região estão ao seu alcance. Entre em contato com a Secretaria da Saúde na prefeitura da sua cidade. A assessoria de controle epidemiológico tem os recursos necessários para lidar com situações como essa.

Para gerar efeitos positivos, a prevenção contra a dengue deve ser um gesto coletivo. Além de cuidar da sua casa, condomínio e notificar à sua prefeitura os casos que precisam de atenção, saiba que a conscientização também é muito importante e pode partir de você.

Aumente a prevenção com a dedetização de insetos

O controle de insetos, geralmente chamado de dedetetização ou desinsetização, conta com profissionais capacitados para ministrar substâncias de uso restrito e proteger a sua casa. Para isso, chame a Imunizadora Hoffmann, que tem mais de 30 anos de experiência em procedimentos de controle de pragas.

Entre em contato através de um dos números abaixo e solicite um orçamento. Atendemos em todo o Rio Grande do Sul.

Fones: (51) 3545-4999 | (51) 98111-4999 | (54) 99983-5959. Whatsapp: (51) 99749-4400.

Orçamentos para Controle de Pragas, Sanitização e Higienização de Reservatórios

Posts Relacionados