Blog Imunizadora Hoffmann

Novidades e conteúdo exclusivo sobre controle de pragas.

Lagartas são o estágio inicial da vida dos lepidópteros. Mais tarde elas passam por metamorfose e se transformam em mariposas ou borboletas.

Só que, quando ainda estão nessa etapa de larva, as criaturas podem causar estragos em jardins e hortas, já que se alimentam de folhas. Será que elas também representam perigo aos humanos?

É bem verdade que os “bichos-cabeludos” assustam muita gente. Por exemplo, você já deve ter ouvido falar em lagartas que queimam a pele e causam outras complicações de saúde.

Mas nem todas as espécies são capazes de tamanho estrago. Siga conosco para entender os detalhes.

Qual é a diferença entre lagarta e taturana?

Na verdade, ambos os termos podem se referir ao mesmo tipo de larva. Os dicionários tratam lagarta e taturana como sinônimos.

Aliás, dependendo da região do Brasil onde você more, o inseto recebe nomenclaturas das mais variadas. Marandová, ruga e bicho-peludo são algumas delas.

Onde as lagartas costumam aparecer?

As taturanas são mais comuns em áreas de florestas. Elas vivem em árvores como ipê, figueira, plátano, pessegueiro e abacateiro, entre outras.

Porém, não é raro encontrá-las também em jardins e até em hortas no meio urbano. Isso acontece por vários motivos, como o desmatamento e a consequente falta de predadores naturais. Somando esses fatores às condições climáticas favoráveis, tem-se a proliferação da praga.

O fenômeno inclusive agrava o risco de encontros indesejados com esses animais. No Brasil, embora as lagartas apareçam em vários estados, o maior número de acidentes é registrado entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Leia também: Tudo o que você precisa saber sobre escorpião

Afinal, lagartas são perigosas?

Nem todas as lagartas representam risco à saúde humana. E olha que algumas têm nome e aparência assustadores!

A lagarta-serpente, por exemplo, é chamada assim porque mimetiza o aspecto de uma cobra para se proteger dos predadores. No entanto, essa espécie (Eumorpha labruscae) não faz mal às pessoas.

O problema maior são as lagartas-de-fogo – nome popular para os exemplares do gênero Lonomia. Elas carregam esse apelido porque têm pelos ou cerdas urticantes, que “queimam” ao toque.

O contato com esses animais cabeludos pode ser mortal. Geralmente os primeiros sintomas são dor e queimação na região atingida, seguidos de inchaço e vermelhidão. Contudo, o quadro pode evoluir para manifestações sistêmicas, incluindo:

  • Dor de cabeça;
  • Náuseas e vômito;
  • Dores musculares;
  • Queda da pressão arterial;
  • Hemorragias.

Claro que a intensidade dos sintomas vai depender da espécie de taturana, do grau de exposição e da sensibilidade da vítima ao veneno. De qualquer modo, vale procurar ajuda médica para evitar que a situação progrida.

Unidades Básicas de Saúde podem administrar o soro antilonômico. Esse é o único medicamento capaz de neutralizar o veneno da Lonomia obliqua e de outras espécies perigosas de lagartas.

Lonomia obliqua – Fonte: Wikipedia

O que fazer em caso de acidentes com lagartas?

A melhor forma de lidar com as taturanas é evitando o contato. Por isso, se você manusear frutas direto do pé, ou mesmo se realizar tarefas de jardinagem, lembre-se de usar luvas.

Agora, caso o acidente com lagarta aconteça, é bom seguir estes passos:

  • Mantenha a calma;
  • Lave o local atingido com água corrente e sabão;
  • Faça compressa de água gelada para amenizar a dor;
  • Havendo suspeita de ataque  por Lonomia, procure a unidade de saúde mais próxima;
  • Se possível, capture o bicho vivo para mostrar aos agentes de saúde (use uma pinça longa ou graveto para coletá-lo e, em seguida, guarde-o num pote com tampa furada).

Nunca faça isso!

Além de saber o que fazer após um acidente com lagarta, é importante aprender o que não fazer, pois certas práticas podem piorar a infecção. Acompanhe:

  • Nunca faça torniquete nem amarre um membro atingido;
  • Não fure, corte, coce, queime ou esprema o local da ferida;
  • Não aplique substâncias sobre a área atingida, como ervas, borra de café ou álcool (elas podem causar infecções);
  • Não ingira bebidas alcoólicas, já que elas não têm efeito sobre o veneno da taturana.

Saiba mais: Tiramos 7 dúvidas sobre picadas de insetos

Lagartas infestando o ambiente: o que fazer?

Até aqui vimos quais são as lagartas mais perigosas e como proceder depois de um ataque. Mas o que fazer para evitar a presença dessas criaturas no seu jardim?

Mesmo que o ímpeto de matar esses bichos seja grande, por favor, nunca destrua uma colônia de taturanas. É preciso capturar exemplares vivos desse animal para a produção do soro antilonômico.

Em vez de agir com as próprias mãos, entre em contato com a secretaria de Meio Ambiente da prefeitura de sua cidade. A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros também podem ser acionados.

Caso a presença de taturanas esteja pondo em risco a sua vida e a de outras pessoas, as autoridades conseguirão remover esses bichos-cabeludos de maneira segura. Outras dicas para prevenir incidentes incluem:

  • Usar luvas e roupas de manga longa durante atividades rurais;
  • Educar as crianças para que não mexam nas taturanas;
  • Avisar os vizinhos sobre os perigos encontrados nas redondezas.

Leia também: Entenda por que o carrapato é tão perigoso

Desinsetização ajuda a prevenir pragas

Lembre-se que não são apenas as lagartas que ameaçam seu lar. Outras espécies perigosas, como mosquitos e escorpiões, surgem com bastante frequência, especialmente nos meses mais quentes do ano.

Para essas e outras situações, a desinsetização é uma medida preventiva importante. O serviço, chamado popularmente de “dedetização”, cria uma barreira química que protege o imóvel contra invasores indesejados.

Além de eliminar focos de infestação, o controle de insetos também age por alguns meses, evitando que novas pragas se instalem ali.

A Hoffmann atua há mais de 35 anos no mercado de controle de pragas urbanas. Você pode contar com nossa experiência para um resultado de extrema qualidade.

Quer saber mais? Entre em contato e solicite um orçamento para controle de pragas. Fones:  (51) 3545-4999 | (51) 98111-4999 | (54) 99983-5959WhatsApp: (51) 99749-4400. Atendemos ao estado do Rio Grande do Sul.

Orçamentos para Controle de Pragas, Sanitização e Higienização de Reservatórios
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar por E-mail
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Pinterest

Posts Relacionados