Blog Imunizadora Hoffmann

Novidades e conteúdo exclusivo sobre controle de pragas.

Basta a temperatura cair para a gente resgatar os cobertores mais grossos, aqueles que estavam lá no fundo do armário desde o último inverno. Só que o mau cheiro das cobertas pode causar bastante incômodo (e inclusive ativar crises de espirros!).

O problema que muita gente enfrenta no quarto também acontece na sala. É que, nestas semanas em que mantemos as janelas fechadas por causa do frio, o odor ruim nos estofados fica ainda mais evidente. Por que será que isso acontece? E como resolver a questão? É o que vamos ver a partir de agora.

O que causa o mau cheiro em cobertas, sofás e tapetes?

Existem diferentes razões possíveis para o cheiro desagradável de um estofado. Em geral, esse é o resultado do acúmulo de sujeira.

Sabe aquela pipoca que você comeu enquanto assistia a um filme? Alguns farelos podem ir parar entre as costuras do assento. Sem contar as gotas de refrigerante ou cerveja que pingam no sofá.

Além dos restos de alimentos, a própria poeira do ar se impregna nesses móveis. Somam-se a ela os pelos do seu animal de estimação, ou mesmo fragmentos de pele humana, já que as camadas superficiais da nossa epiderme vivem descamando e caindo por aí.

suor pode ser outro agravante para o cheiro ruim. Isso vale tanto para o sofá quanto para lençóis, cobertores e edredons.

No caso das cobertas, a umidade traz ainda mais problemas. Como esses itens passam muitos meses guardados num armário fechado, sem luz do sol, há proliferação de fungos. Assim, quando as temperaturas caem e você precisa tirar uma manta do roupeiro, é provável que ela esteja com aquele fedor de mofo.

Saiba mais: Pulgas e carrapatos não precisam incomodar sua família

Por que a gente espirra quando usa um cobertor fedorento?

Na verdade, as pessoas não espirram por causa do odor forte, mas, sim, devido às partículas concentradas no acolchoado. Pó, poeira e umidade podem desencadear reações alérgicas.

Mas os principais inimigos das nossas vias respiratórias são os ácaros. Esses aracnídeos minúsculos vivem dentro das fibras de travesseiros, colchões, carpetes, almofadas, roupas de cama e até bichos de pelúcia. A umidade e o calor encontrados nesses lugares fornecem as condições ideais para a proliferação da praga.

As criaturas se alimentam das escamas de pele e dos pelos que ficam no ambiente. Elas também soltam excrementos.

À medida que a infestação aumenta, mais resíduos são liberados no ar. Sim, estamos falando das fezes dos ácaros e de partes dos animais mortos, tudo flutuando pela sua casa. Esse conteúdo, quando aspirado por uma pessoa, pode irritar as vias aéreas.

Como mecanismo de defesa, o organismo humano libera histamina, substância que causa coceira e produção de secreção nasal. É o início da crise.

Muitas doenças estão relacionadas aos ácaros. Esses seres podem agravar quadros de riniteasmaconjuntivite e dermatite, entre outras moléstias. Crianças e indivíduos com propensão a alergias sofrem mais, mas qualquer um pode sentir as consequências.

Estima-se que até 40% da população sofra de rinite alérgica, segundo a Organização Mundial da Alergia. Aqui no Rio Grande do Sul, o problema é mais frequente no inverno. Se já não bastassem as mudanças bruscas de temperatura, a baixa umidade do ar é um fator agravante, pois resseca as mucosas nasais. Isso torna o sujeito mais vulnerável a vírus, bactérias e outros microrganismos.

Portanto, lembre-se: o odor desagradável das cobertas é indício de perigos mais sérios. Tome as devidas providências para eliminar invasores de sua casa.

Como tirar o cheiro ruim de cobertores e estofados?

Agora que você já sabe o que causa os odores, vamos dar algumas dicas de como tirar o cheiro de guardado do cobertor, ou mesmo evitar que camas e sofás fiquem com essa fragrância nada agradável de mofo. Tudo se resume à higienização adequada. Acompanhe:

Aspirador de pó

A primeira medida para evitar o fedor em tapetes, sofás e similares é caprichar na limpeza. Use aspirador de pó para remover as sujidades. Não adianta varrer nem passar espanador, já que esses utensílios apenas espalham os detritos.

Lavagem semestral

Para cobertores e edredons, a dica é lavá-los pelo menos duas vezes ao ano. Não se esqueça de estender as peças num varal e secá-las ao sol.

Claro que essa tarefa fica mais complicada durante o inverno. Os dias de tempo fechado dificultam a lavagem e, principalmente, a secagem de tecidos pesados. Fora que muitas máquinas domésticas nem sequer suportam o peso de um edredom de casal, por exemplo. Por isso, se necessário, recorra a uma lavanderia profissional.

Banho de sol

Embora lavar seja importante, você nem sempre precisa pôr a roupa de cama mais pesada na máquina. Às vezes basta tirar as peças do armário e expô-las ao sol para deixar o cobertor cheiroso.

Soluções caseiras

A internet também está cheia de receitas caseiras para eliminar mau cheiro de cobertas, almofadas, poltronas e outros móveis. Elas geralmente envolvem ingredientes fáceis de encontrar. Vinagrebicarbonato de sódio e álcool são os mais usados.

Mas tome cuidado! Ainda que esses produtos sejam eficazes para neutralizar odores, eles podem danificar objetos mais delicados, como os estofados de camurça. E é preciso pôr tudo ao sol para secar, o que demora um bom tempo nas estações mais úmidas do ano.

Saiba mais: 4 dicas para um sono de qualidade

O odor ruim sumiu, mas as crises alérgicas continuam. E agora?

É importante frisar que as soluções para remover mau cheiro de cobertas e estofados não eliminam os ácaros. Ou seja: seu cobertor pode estar cheirosinho, mas continuará carregado de criaturas prejudiciais à saúde.

Existem sprays antiácaros à venda nos supermercados. Contudo, os artigos servem apenas para matar os bichos adultos. Eles não removem as criaturas que já infestaram o ambiente, de modo que as partículas alergênicas dos animais mortos permanecem em circulação.

Felizmente existe uma alternativa. Trata-se da sanitização de colchões, tapetes e estofados. Esse serviço profissional utiliza um equipamento especialmente projetado para a limpeza profunda.

São sete etapas de filtragem que asseguram a retenção e a eliminação de ácaros, bactérias e demais agentes alérgenos. O procedimento ainda garante a remoção de cabelos, pele humana e outros detritos que se acumulam nos móveis.

A sanitização de colchões, tapetes e estofados deve ser realizada a cada quatro meses. Isso aumenta a vida útil das peças e mantém a qualidade do ar em qualquer época do ano. Assista ao vídeo abaixo para conhecer detalhes da operação (o resultado é surpreendente!):

Em acréscimo, há a sanitização de ambientes. Essa técnica usa ação química para criar uma película nas paredes do recinto, protegendo-o de microrganismos.

produto sanitizante não é inflamável nem corrosivo, sendo considerado livre de riscos. A única exigência é o isolamento da área por algumas horas. Nesse período, apenas a equipe treinada para a aplicação permanece no interior do prédio, usando equipamentos de proteção individual e seguindo manuais de boas práticas.

A sanitização de ambientes é ideal para quartos de bebê, clínicas médicas ou estabelecimentos comerciais com grande circulação de pessoas. Recomenda-se a renovação do serviço periodicamente para elevar o nível de proteção contra vírus e bactérias.

Saiba mais: Tire suas dúvidas sobre sanitização de ambientes

Ajuda profissional para eliminar o mau cheiro em cobertas e estofados

Quer eliminar o cheiro ruim de cobertores e acolchoados? Que tal acabar de vez com as crises alérgicas em sua casa? Entre em contato com a Hoffmann e agende uma sanitização de colchões, tapetes e estofados.

Fones: (51) 3545-4999 | (51) 98111-4999 | (54) 99983-5959WhatsApp: (51) 99749-4400. Atendemos em todo o Rio Grande do Sul.

Orçamentos para Controle de Pragas, Sanitização e Higienização de Reservatórios
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar por E-mail
  • Compartilhar no LinkedIn

Posts Relacionados