Blog

Novidades e conteúdo exclusivo sobre controle de pragas.

Quem já enfrentou infestação de cupim em casa sabe o estrago que isso pode causar. Os insetos devoram a madeira, sendo capazes de arruinar móveis, portas e até as estruturas de sustentação do telhado.

O problema é que essas criaturas permanecem escondidas a maior parte do tempo, então você só percebe a presença dos intrusos quando o prejuízo está grande demais. Será que existe uma maneira de frear tamanha destruição?

Hoje você vai aprender a identificar sinais de infestação por cupins na residência. Fique de olho nas nossas dicas e conheça a melhor forma de preservar seu patrimônio.

5 sinais de infestação por cupim

O período crítico ocorre entre a primavera e o verão. É nessa época do ano que os cupins saem em revoada para encontrar um par e se reproduzir. Por isso, a chegada das temperaturas amenas aumenta o risco de infestações.

Só que os devoradores de madeira agem o ano todo. A rainha pode botar 3 mil ovos por dia, expandindo o tamanho da colônia em pouquíssimo tempo, independentemente das condições climáticas lá fora. Ou seja: mantenha atenção constante aos seguintes indicadores da presença de cupins.

1. Mariposas em volta da lâmpada

Os insetos de hábitos noturnos costumavam se guiar pela luz da lua, mas as lâmpadas elétricas bagunçaram o senso de direção desses bichos. Agora, eles são atraídos pelo brilho do LED. Resultado: invadem o interior das casas.

Entre os possíveis penetras estão as aleluias, ou siriris, como ficou conhecida a forma alada dos cupins. Parecidas com mariposas, elas voam em grupos que chegam às dezenas.

Todas têm o objetivo de formar família. Quando macho e fêmea se encontram, buscam um local para fazer ninho. Portanto, a presença de insetos voadores ou de asas de cupim pela casa pode indicar o início de uma infestação.

Saiba mais: Armadilha luminosa afasta insetos noturnos
2. Farelo de madeira – ou melhor: cocô de cupim

Os cupins de madeira seca produzem um resíduo marrom ou acastanhado. Esse pozinho, similar à serragem, nada mais é que cocô. Tratam-se do dejetos que sobram após as pragas se alimentarem.

Para evitar o acúmulo do material no habitat da colônia, os insetos abrem pequenos orifícios na superfície do móvel e expelem o excedente para fora. A concentração de pó de madeira é um sinal claro de que as criaturas estão em plena atividade.

A essa altura, a estrutura atingida pela infestação de cupins já pode estar bastante danificada. A questão é que os invasores escavam túneis profundos, então nem sempre é possível perceber, a olho nu, a extensão do estrago.

3. Rachaduras, buracos e barulhos

Conforme a colônia de cupins vai crescendo, o prejuízo se torna mais visível. E audível, também.

Os insetos fazem túneis na madeira, corroendo-a de dentro para fora. Assim, o material vai ficando oco. Basta dar umas batidinhas na tábua para perceber a diferença no som da área atingida.

Aliás, alguns ouvidos mais sensíveis conseguem escutar barulhos parecidos com o de papel sendo amassado. São os cupins mastigando! Essa é uma evidência de infestação em nível grave.

Nesse ponto, as rachaduras e os buracos nos móveis também são perceptíveis. A camada de madeira que sobra é tão fina que chega a se esfarelar. Você pode quebrá-la como se fosse papelão.

4. Caminhos de terra nas paredes

Os cupins subterrâneos vivem no solo, pois preferem locais úmidos. Porém, todos os dias, os operários saem em busca de alimento para levar à colônia.

Essa espécie representa um risco enorme às construções de alvenaria. Com mandíbulas poderosas, os bichos arrebentam paredes, tubulações de água e até fiações elétricas para chegar à madeira.

Nesse caso, os vestígios mais comuns são rastros de terra que ficam pelo caminho. Os cupins constroem esses tubos de lama como uma forma de abrigo, até porque o contato com a luz do dia pode ser prejudicial às criaturas.

Saiba mais: Cupins são um perigo à construção civil desde o início da obra 
5. Insetos

Justamente por evitarem a exposição ao sol, os cupins quase nunca emergem à superfície. A maioria deles passa a vida inteira no interior do ninho, devorando a madeira e cavando novos túneis. Enquanto isso, a rainha segue botando milhares de ovos por dia, protegida por uma legião de soldados.

Ainda assim, há situações em que os seres indesejados mostram a cara. São minúsculos – com dois ou três milímetros de comprimento – e, devido à aparência, podem ser confundidos com formigas.

Outra preocupação são as brocas, um tipo de besouro que ataca a madeira. Ao contrário dos cupins, eles não são seres sociais. Em outras palavras, trabalham isoladamente e, por conta disso, os danos tendem a ser menores.

Dicas para acabar com infestação de cupim em casa

Controlar uma infestação de cupim em casa requer ajuda especializada. Apenas técnicos treinados conseguem inspecionar o ambiente com eficácia. Os profissionais identificam o núcleo da colônia e eliminam a rainha – única maneira possível de interromper o ciclo de destruição da praga.

Vale lembrar que os venenos de cupim mais eficientes não são vendidos a pessoas físicas. Você nunca encontrará esses produtos nas gôndolas de um supermercado, por exemplo. Esse é mais um motivo para contratar uma empresa de descupinização, que utiliza nomes como imunizadora ou dedetizadora.

Saiba mais: Por que o veneno de cupim não resolve a infestação?

Independentemente da nomenclatura, fato é que a companhia deve ter licença da Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (Fepam). O órgão é responsável por autorizar e inspecionar a atividade de controle de pragas urbanas no Rio Grande do Sul.

Também é necessário que a equipe administre substâncias registradas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Essa é uma garantia de que os produtos foram testados, assegurando a eficácia da operação e a proteção ao meio ambiente.

Lembre-se: receitas caseiras, como querosene ou óleo de motor queimado, não servem para matar cupim. Pior ainda, elas põem a sua segurança em risco. Há possibilidade de incêndios e intoxicação.

Se você identificou sinais de infestação de cupim, chame quem entende do assunto. Conte com a experiência da Hoffmann. Nossos colaboradores realizam cursos de capacitação e seguem manuais de boas práticas para oferecer um serviço de excelência.

A garantia do controle de cupins e brocas é de 12 meses, com assistência técnica durante todo o período. Entre em contato conosco e solicite um orçamento. Fones: (51) 3545-4999 | (51) 98111-4999 | (54) 99983-5959. Whatsapp: (51) 99749-4400. Atendemos em todo o Rio Grande do Sul.

Orçamentos para Controle de Pragas, Sanitização e Higienização de Reservatórios