Blog

Novidades e conteúdo exclusivo sobre controle de pragas.

Formigas, baratas, cupins, ratos, aranhas… Quando os invasores aparecem, é hora de recorrer ao serviço popularmente chamado de dedetização. Esse procedimento serve para eliminar as colônias e criar uma barreira química no ambiente, protegendo-o de novas infestações.

Só que a meia-vida dos produtos utilizados na imunização é limitada. Isso significa que as substâncias perdem o efeito depois de algum tempo.

Para garantir proteção o ano todo, você deve investir periodicamente na renovação do controle de pragas. No entanto, infelizmente, nem todos os consumidores seguem essa recomendação. E o descuido representa uma série de riscos à saúde e ao patrimônio. Veja só.

Risco financeiro: infestações elevam o custo da dedetização

O que é melhor: pagar anualmente o seguro do carro ou arcar com o prejuízo de um eventual acidente? Ficar sem a apólice pode até parecer mais econômico num primeiro momento. Porém, se você se envolver numa batida, as despesas com o conserto do automóvel poderão sair bem mais caro.

É mais ou menos isso que ocorre na desinsetização. O custo do serviço aumenta conforme o grau da infestação. Sendo assim, quanto mais seres indesejados houver no local, mais inseticida será gasto e mais tempo será necessário para conter o problema. A operação acaba se tornando onerosa demais para o cliente.

Renovar o controle de pragas, portanto, significa investir em prevenção. É como se você fizesse um seguro contra baratas, ratos e outras criaturas asquerosas.

O controle preventivo impede que as colônias se instalem na área imunizada. Dessa forma, não há risco de acidentes, isto é, de novos focos de infestação. O procedimento se torna mais simples – e os valores contratuais, bem mais em conta.

Cabe ressaltar que as substâncias domissanitárias empregadas no controle de insetos não são as mesmas utilizadas no controle de cupins, por exemplo. Cada uma delas tem uma meia-vida diferente, que pode variar de três meses a um ano. Na dúvida, consulte a imunizadora para elaborar um calendário de renovação do controle de pragas.

Saiba mais: quanto custa a dedetização?

Risco patrimonial: controle de pragas evita danos ao imóvel

A incidência de pragas numa edificação compromete a manutenção das estruturas. Nesse ponto, os cupins são os mais terríveis.

Os devoradores de madeira corroem móveis, portas, rodapés e até o forro das casas. Algumas espécies chegam a danificar paredes de concreto para ir em busca do alimento! Numa situação crítica, essa praga inutiliza o mobiliário, sendo preciso consertar ou mesmo substituir as peças. Imagine o prejuízo.

Ratos não ficam para trás, quando o assunto é destruição. Eles deixam um rastro de gordura e sujeira por onde passam. Esse material vai encardindo as paredes, o que demanda limpezas mais frequentes ou até a pintura da área. Sem contar que os roedores também podem comprometer fiações elétricas e causar curtos-circuitos.

Novamente, prevenir é melhor que remediar. Ao manter o controle de pragas em dia, você garante que o prédio fique livre dos seres nocivos. Esse cuidado é importante para prolongar a integridade do imóvel, de modo que os reparos de conservação não sejam tão recorrentes.

Saiba mais: Manutenção de imóveis protege e valoriza o patrimônio

Risco sanitário: pragas urbanas transmitem doenças

Um terceiro motivo para reforçar a dedetização com frequência diz respeito à saúde pública. Pragas urbanas são vetores para diversas doenças, algumas delas fatais.

Peguemos o exemplo de uma escola, lugar com grande concentração de pessoas. Digamos que haja um criadouro de mosquitos Aedes aegypti no pátio. Esse inseto, como bem sabemos, pode carregar vírus causadores de dengue, zika e chikungunya.

Uma única fêmea conseguirá infectar diversos alunos e professores em poucos dias. Pense só na epidemia que dezenas ou centenas delas podem desencadear no educandário! O mesmo risco se estende a condomínios, fábricas, lojas, escritórios, hotéis e quaisquer estabelecimentos que recebem alta quantidade de público.

Embora o mosquito seja um dos vilões mais evidentes, não podemos nos esquecer das baratas, das formigas e dos ratos. Essas criaturas carregam microrganismos danosos, contaminando com bactérias, fungos e protozoários as superfícies por onde andam.

Uma pessoa que circule nesse espaço hostil poderá adoecer. Os resultados mais comuns vão de alergias a complicações gastrointestinais.

Felizmente, a renovação do controle de pragas afugenta as colônias de insetos e ratos. O local, então, permanece mais seguro e mais saudável para os habitantes.

Saiba mais: Diferenças entre dengue, zika e chikungunya

Risco operacional: multas da Vigilância Sanitária são pesadas

Ainda falando em saúde, cabe ressaltar que as pragas atacam os ingredientes estocados na despensa ou na cozinha. Aí, os parasitas que estavam na barata e no rato vão parar na comida. Nem precisamos explicar a consequência, né? Contaminação dos alimentos.

É para evitar problemas de saúde pública que os órgãos de Vigilância Sanitária realizam inspeções em empresas do setor alimentício. Padarias, supermercados, restaurantes, refeitórios e quaisquer outros empreendimentos do ramo estão sujeitos à fiscalização das autoridades.

Um dos itens avaliados é o comprovante de execução de serviço do controle de pragas. Trata-se de um documento entregue pela imunizadora para atestar que o procedimento foi realizado corretamente.

A inadequação às normas abre precedente para penalidades. Geralmente, começa com uma advertência, mas a reincidência pode evoluir para multas, interdição do negócio e até cancelamento do alvará de funcionamento. Ou seja: melhor pagar pela dedetização que correr o risco de ficar sem faturamento nenhum, certo?

Dica: ao contratar uma empresa de controle de pragas, observe se esta concede a documentação necessária, conforme exigido pela RDC Nº 52, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Afinal, sem provas de que o ambiente foi dedetizado por uma companhia licenciada, o estabelecimento sofrerá penalidades.

Saiba mais: Livre-se das moscas, o terror da indústria alimentícia

Acerte na renovação do controle de pragas

A Hoffmann oferece os serviços de controle de insetos, controle de ratos e controle de cupins e brocas. Fomos a primeira empresa gaúcha a conquistar o Selo de Proteção Bayer, certificação internacional que é sinônimo de excelência nos serviços. Desse modo, você pode confiar em nossa equipe para um controle de pragas seguro e eficiente.

Evite riscos. Conte com nossa experiência para manter a saúde e a integridade de seu patrimônio.

Quer saber mais? Entre em contato conosco e solicite um orçamento. Fones: (51) 3545-4999 | (51) 98111-4999 | (54) 99983-5959. Whatsapp: (51) 99749-4400. Atendemos em todo o Rio Grande do Sul.

Orçamentos para Controle de Pragas, Sanitização e Higienização de Reservatórios